terça-feira, 11 de dezembro de 2007

ADEUS... ÁFRICA


















Saindo do espectro Pop/Rock, aqui estão algumas capas de discos que iam sendo editados no Portugal dos pequeninos!!!! É verdade... no tempo do a juventude tinha a tropa e uma passagem para África!!!!

Todos estes discos possuem pequenas pérolas patrióticas!!! As musicas são geralmente muito mal cantadas, as letras... enfim... O tema é comum, África!





15 comentários:

bissaide disse...

Não conhecia o disco do António Rocha! África estava omnipresente, para o bem e para o mal... Já agora, que tal o "Sangue de Heróis", do Vítor Duarte?

Fantomas disse...

Tens Razão, vou colocar!!!!!

josé disse...

Este disco é um tratado de semiologia em potência.

Até o macaquinho, trazido de África!

josé disse...

É isto que falta no documentário de Joaquim Furtado. E é um furto à História. De facto.

josé disse...

Isto dava um programa de rádio fantástico!

Houvera quem o programasse...

bissaide disse...

Já agora, quais são as músicas e os autores do EP do Victor Duarte? Há lá alguma chamada "Ser Mais Um Entre Tantos"?

josé disse...

Misturar o adeus Guiné com uma música do Phil Ochs, (por exemplo i ain´t marchin´anymore, de pendor esquerdista) e a seguir carregar com um som de metralha, misturado com Wagner e em fade out, os primeiros compassos de Angola é nossa. Lá para o meio ( a canção não merece mais), pôr uma guitarra fuzz de Jimmi Hendrix que na altura era um must, atrelando um Jefferson Airplane e logo, logo...Leo Ferré, com as palavras e os sons du Maudit.
Um minuto e meio depois, Paco Ibañez, um esquerdista e para variar, Ó Elvas, Ó Elvas, de Paco Bandeira. Mal o refrão começasse, nova volta para os CSNY, com Ohio ( esquerdista e contra o Vietname) e Polnareff a seguir.
Em francês, Ce petir Coeur daquela que vocês bem sabem e aproveitando a toada romântica, o conunto António Mafra com Chegeou o carteiro, para quebrar o feitiço da Hardy, retomando logo com sons dos Sheiks ou do Quinteto Académico.

Podia continuar, mas não quero ser fastidiosos

Fantomas disse...

Até tinha a sua piada!!! O alinhamento podia ser este:
1- Coro da FNAT - "Angola é Nossa"
2-Discurso de Salazar - "Política Ultramarina" (1963)
3- CONJUNTO TÍPICO OS ROUXINOIS -"Moçambique"
4-CONJUNTO DE OLIVEIRA MUGE - "A Mãe"
5- VITÓRIA MARIA - "Na Hora da Despedida-Adeus"
6-ANTÓNIO ROCHA - " Angola é Portugal"
7- CILINHA (MNF) - "Canta um Fado ~Para os Soldados"
8- QUARTETO 1111 - "Nas Terras do Fim do Mundo"
9- VICTOR DUARTE - "Sangue de Herois"
10- OROPESA - "Entre o Amor e a Guerra"
11 - CONJUNTO JOÃO PAULO - "O Salto"
12- PAULO DE CARVALHO - "E Depois do Adeus (versão instrumental)
13- JULIO VIETAS - "Regresso do Soldado"

josé disse...

Quem fazia destas misturas fantásticas era o Jorge Gil no À Sombra de Edison, dos anos oitenta, com MEC e locução de JDNunes.

Nunca mais houve um programa assim.

Fantomas disse...

Sim, há!!!! Eu depois mando-te a contra-capa.

bissaide disse...

Ok, obrigado! Parece-me também que estou a reconhecer o alinhamento! ;-)

Fantomas disse...

Pois... :-)
Até tinha a sua piada!!!

Eduardo F. disse...

Alguém sabe de onde são /eram esses Rouxinóis?

É que por acaso havia, até há bem pouco tempo, um grupo (folclórico) homónimo aqui de Santana do Vimieiro (Braga)...

?

Eduardo F. disse...

E pela capa, hum... aquelas árvores... podia ser aqui para o norte...

Anónimo disse...

civilian goyalme tomonopolise anthropology spade seconds syllogisms execution hoechst unclear controller
lolikneri havaqatsu